Revivendo uma Luta sem Fim

O Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), presente em muitas cidades no Brasil, é um local de apoio e tratamento para pessoas que sofrem com transtornos mentais, psicoses, neuroses graves e outros quadros que necessitem de um acompanhamento, um serviço de saúde para onde estes cidadãos se dirigem algumas vezes ao mês e em seguida voltam às suas casas e às comunidades em que estão inseridos. A instituição visa promover a reinserção social dos usuários (termo adotado pela saúde mental para substituir o antigo “paciente”) que por ele passam, não sendo o único tipo de serviço de atenção em saúde mental, mas estando dentro de uma rede de cuidados, que abrange desde residências terapêuticas até os leitos nos Hospitais Gerais.

No bairro Centenário da cidade de Campina Grande, localiza-se o CAPS III Reviver, no qual mais de 4.400 pessoas estão cadastradas, mas destas comparecem entre 600 e 900 mensalmente. Nele acolhe-se, por exemplo, casos de depressão e síndrome do pânico adquiridas após um período de trabalho em determinadas empresas de Campina Grande, conhecidas por suas jornadas de trabalho estafantes. Enfermeiros, técnicos de enfermagem, psicopedagogos, educadores físicos, cuidadores, auxiliares de serviço geral e outros profissionais formam uma equipe de mais de 50 funcionários atuando na instituição, além dos voluntários e estagiários.

O Reviver, assim como os outros CAPS III, funciona 24 horas por dia. O único dia em que não há atividade é na sexta-feira pela manhã, quando então a equipe se reúne para discussão dos casos. É o momento onde todos os funcionários podem e devem ser ouvidos: o médico, o faxineiro, a cozinheira, o psicólogo, o porteiro. O dispositivo presta acompanhamentos a comunidade desde o ano de 2006. E de lá para cá, a aconchegante casa em tons de verde e amarelo mantém em sua estrutura as marcas dos vários pacientes que por lá caminharam, e quem as narra são os próprios usuários, seus familiares e também os funcionários. Às vezes com um sorriso aberto, outras um olhar de desconforto e, não raro, uma lágrima na voz.

Alguns termos e seus significados:

CAPS: lugar de referência e tratamento para pessoas que sofrem com transtornos mentais e outros quadros, onde busca-se incentivar a reinserção social destes através de práticas que promovam o exercício da cidadania

OFICINAS TERAPÊUTICAS: momentos de cuidado, interação e socialização entre os usuários e funcionários, tais como artesanato, corte e costura, desenho e pintura, dança, entre tantos outros

PACIENTE: nome dado aos casos clínicos

RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: moradias destinadas às pessoas com longa permanência nos hospitais psiquiátricos e/ou usuários que perderam seus laços sociais e familiares

USUÁRIO: referente aos quadros de saúde mental

Por: Luiz Felipe Bolis (Repórter)/ Alessandra Clementino (repórter colaboradora)/ Betânia Diniz (repórter colaboradora) – Iara Alves (editora)