Jovens Talentos: do palco à coxia

A Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Maria Zeca de Souza, localizada em Massaranduba/Paraíba, sempre reuniu em seu corpo discente grandes talentos por trás das fardas, dos uniformes e das fronteiras do interior de cada um. Até os dias de hoje encontra-se, em um canto da instituição, alguém que sabe cantar; em outro, há quem se interesse por dança; surgem também os alunos que simpatizam com a literatura, a escultura, o teatro, além de todas as formas nas quais a arte possa surgir camuflada como manifestação da cultura popular.

Como resultado a essa diversidade de expressões, a escola promoveu, em 1998, a primeira edição do Jovens Talentos, a caráter experimental. O que, de início, emergiu de forma tímida no cenário massarandubense e pôde reunir somente os alunos do turno noturno foi, gradativamente, evoluindo em todos os aspectos ao longo dos anos, desde questões técnicas até a quantidade de participantes, abrindo espaço para jovens de outras instituições de ensino e conquistando cada vez mais um público maior. O Parque de Eventos, uma área no Centro da cidade destinada à realização de momentos culturais como o Jovens Talentos, é testemunha da popularidade do mesmo.

Por trás das cortinas que se abriram ao longo de todas as oito edições do evento está a participação – e por que não dizer o suor? – de mentes como a da professora Maria das Neves. Se na sala de aula Neves, como é mais conhecida, lida com os números e as contas que a permitem transmitir conhecimentos aos alunos através do ofício da matemática, é no palco e, sobretudo, na coxia do Jovens Talentos que a arte a faz externar ainda mais os seus dons e o seu carisma.

Lá, onde os talentos preparam-se para a tão esperada apresentação, pode ocorrer de tudo, desde alguém que desista de última hora até uma vestimenta que resolva se descosturar ou uma inesperada dor de cabeça que venha a surgir inesperada e inconvenientemente. As lembranças dos bastidores são inúmeras, desde as mais engraçadas até os momentos mais sérios, narradas pela boca de quem viu as cortinas se abrirem com os próprios olhos.

Maria das Neves conta que o evento tem um imenso compromisso com o público. “Pode ter muita gente, como pode ter só um, mas mesmo que tenha só um a gente se apresenta da mesma forma porque aquela pessoa saiu de sua casa para nos assistir”, as palavras que vêm na sequência a fazem recordar de uma noite de muita chuva em que sentia-se que a plateia esperada não ia vir para as apresentações, mas, quando as cortinas foram abertas, viu-se um vasto tapete de guarda-chuvas acima dos olhos espectantes das pessoas diante dos talentos que estavam prestes a se apresentar.

Participante ativa das edições do Jovens Talentos, a professora de dança Núbia Ferreira lembra-se bem, e com saudades, da derradeira vez que os integrantes do seu grupo subiram ao palco, em 2007. Naquele ano, o palco adquirido não tinha, aparentemente, condições de suportar 16 pessoas dançando juntas ao mesmo tempo. Mas o Back to Life provou que o impossível seria possível.

“A professora Neves disse pra gente: ‘pulem o menos que vocês puderem!’. A gente fez uma roda e disse: ‘Seja o tem que ser, se o palco cair, a gente cai junto’”. As cenas seguintes desse episódio, segundo Núbia, foram marcantes. “Depois que a gente terminou a apresentação, o público gritou: ‘De novo! De novo! De novo!’, e professora Neves gritou lá de traz pra gente: ‘Nãããooo’”. Toda aquela adrenalina já bastava. O palco não caiu, e grupos como o Back to Life e Top Dance marcaram os seus nomes na história do evento.

“A arte diz o indizível; exprime o inexpremível; traduz o intraduzível”, a frase de Leonardo da Vinci revela bem o principal motor do Jovens Talentos ao longo das edições: um indizível, inexpremível e intraduzível amor que perpassa qualquer dificuldade e que tem agregado centenas de alunos, professores e colaboradores segundo as estimativas da própria Neves.

Saiba mais

A IX edição do Jovens Talentos ocorrerá em 08, 09 e 10 de novembro de 2017 e todas as informações sobre o mesmo podem ser conferidas na página do evento no Facebook. Ao longo dos três dias do evento, haverá  apresentações culturais e será exibido o documentário “Jovens Talentos: lembranças dos bastidores”.

Por Luiz Felipe Bolis (repórter) – Iara Alves (editora)