IPCCAN – O Lar da Esperança

Dentre inúmeros endereços, localizada na Rua Josefina Maria da Conceição, no bairro da Liberdade, está uma casa de um azul tranquilo e portões altos. É a casa de nº 378. Lá vive uma família composta por pessoas, pessoas vindas de outras casas, outras cidades, e de outras famílias. Todas unidas por uma mesma causa: o combate a uma doença difícil, porém vencível, o câncer.

É este endereço que abriga o IPCCAN (Instituto Paraibano de Combate ao Câncer). Uma organização sem fins lucrativos. A instituição surgiu no ano de 2007 por meio de um projeto idealizado pela médica Oncologista Renata Gurgel e funcionava do Hospital Universitário (HU) com uma equipe de funcionários especializados nas áreas de Enfermagem, Assistência Social, Psicologia, e Oncologia.

Devido ao aumento do número de pacientes diagnosticados surgiu a necessidade de um lugar específico que os abrigasse e oferecesse a atenção necessária. Foi aí que nasceu a estrutura física do projeto para além dos muros do hospital, não uma casa comum, um lar, o primeiro lar de apoio a crianças com câncer na cidade de Campina Grande, que é atualmente coordenado por Kerma Brasil.

O lar de apoio abriga crianças, adolescentes e seus acompanhantes vindos de várias cidades da Paraíba durante o processo de tratamento da doença. Lá é oferecido aos pacientes todo apoio necessário durante este período. Abrigo em tempo integral, alimentação, orientações sobre os cuidados necessários durante o tratamento, além da distribuição de cestas básicas, fraldas e kits de higiene.

O IPCCAN tem um ambiente de interação com brinquedoteca, espaço de lazer, transporte, e estrutura onde as crianças desenvolvem atividades pedagógicas e são reinseridas num espaço social do qual foram repentinamente retiradas.

 

Apoio e Tratamento

Samuel e Gabriel na bibliotecaFoto: Dalisson Markel

Pelo lar de apoio as crianças com câncer já passaram muitas histórias, com e sem final feliz, mas histórias que sem dúvida fazem parte de algo muito maior do que a dor de enfrentar o sofrimento emocional e físico de uma doença tão dolorosa. São histórias de amor ao próximo, luta pela vida e de humanização.

No Instituto, as crianças e mães encontram apoio umas nas outras. As crianças passam pelo processo de relação social, já que ao serem diagnosticadas são distanciadas do ambiente escolar e familiar, nos quais estavam inseridas. As mães encontram umas nas outras força e a troca de experiências para enfrentarem cada fase da doença dos filhos. No lar, a rotina hospitalar é quebrada com o convívio e interação tanto das mães quanto das crianças.

O projeto social é de extrema importância na vida das famílias que lutam contra o câncer. Ao longo de seus oito anos de existência o lar ajudou na recuperação de inúmeras crianças e jovens que conseguiram superar a doença e ter uma vida comum e saudável. Um ambiente familiar e acolhedor é capaz de modificar de maneira positiva o enfrentamento ao câncer.

Os casos de crianças que venceram o câncer são acompanhados e servem de exemplo e incentivo para outros pacientes abrigados. Quanto maior o apoio, maiores são as chances de cura entre os pacientes e é isto que o IPCCAN oferece, um lar de esperança onde todos colaboram para o bem uns dos outros.

 

Funcionários e Voluntários

O Instituto IPCCAN conta com o auxílio de funcionários e voluntários para seu funcionamento. O número de funcionários contratados em funções que vão desde as atividades domésticas, cuidados com a alimentação especial e transporte dos pacientes, é de cinco, mas o número de voluntários é incontável. Juntos funcionários e voluntários formam um lar de apoio e acolhimento.

Pela organização já passaram diversos voluntários de todas as idades e aptidões, que marcam e são marcados pela história do projeto, como é o caso da atual funcionária Cileide Silva que teve sua história de vida cruzada com a do Instituto. “Eu conheci o Instituto através do meu filho que em 2013 foi diagnosticado com câncer, (…) passei a ser voluntária mesmo com meu filho em tratamento, passei a ser voluntária através dele.” Cileide Silva, 32 anos, funcionária da casa.

Muitos funcionários iniciaram seus trabalhos como voluntários, é assim que a maioria das pessoas chegam até o IPCCAN, com o intuito de ajudar de todas as formas possíveis os que lá enfrentam uma dolorosa luta. Os voluntários atuam nas atividades do lar e principalmente na interação com as crianças, a troca de um espaço de tempo pela alegria de uma criança em recuperação.

Os voluntários também possuem grande importância no que diz respeito à questão financeira do Instituto. A maior parte da renda vem de doações feitas pela população e de empresas que apoiam o trabalho realizado, é uma rede de voluntariado que nutri o IPCCAN. A fonte de renda que os mantém em todos os aspectos são as doações voluntárias e parceiras, o trabalho voluntário tanto afetivo quanto financeiro possibilita a ajuda ao próximo e dá vida ao lar.

É todo um trabalho que une funcionários, voluntários, pais e pacientes em uma corrente de amor e força pela vida. Que só é possível graças ao afeto de uns pelos outros, na construção mútua e diária da esperança pela vida.

Saiba mais sobre estas ações na página institucional do IPCCAN, no Facebook e como ser voluntário no projeto

Por Mirelly Passos (repórter) – Iara Alves (editora)