Debates em torno das palestras, oficinas e mesas redondas marcaram a 14ª edição do Folkcom

Estudantes, pesquisadores, professores, artistas, agentes culturais e profissionais da comunicação se reuniram durante os dias 27, 28 e 29 de setembro, na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em Campina Grande, para vivenciar e discutir a pedagogia da Folkcomunicação e da cultura popular.

De acordo com a organização do 14º Seminário Os Festejos Juninos no Contexto da FolkComunicação e da Cultura Popular, ao longo desses três dias em torno de 300 pessoas participaram das atividades que englobaram oficinas temáticas, grupos de trabalhos (GT’s),  mesas-redondas, lançamento de livros, apresentações culturais, exposições e conferência. O evento foi promovido pelo Departamento de Jornalismo e o Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA) e contou com o apoio das Pró-reitorias de Graduação, Pós-graduação, Cultura e Extensão da UEPB.

A apresentação de artigos acadêmicos por alunos da graduação, graduados e profissionais da área foi um dos principais momentos do Seminário por possibilitar a troca de experiências e suscitar os debates em torno da Folkcomunicação. Nesta edição, foram realizadas cinco sessões de GT’s, divididos nos eixos temáticos: Educomunicação e Folkcomunicação; Comunicação, Educação e Desenvolvimento; Movimentos Sociais, Festejos Juninos e Dinâmicas Educativo-Culturais; Folkcomunicação nos Contextos Religiosos e Pedagogia do Jornalismo Cultural.

Um dos expositores foi Flávio Santana, graduado em Jornalismo pela Universidade de Tiradentes – SE, e que estava participando do evento pela primeira vez e expôs a sua pesquisa “A difusão da Cultura Popular na mídia: cruzamento entre a proposta do jornalismo cultural e a folkcomunicação.” Flávio destacou que participar da 14ª edição do FolkComfoi uma experiência fantástica, e pelo fato da Folkcomunicação ser a sua área de pesquisa sempre procura participar desses momentos de discussão.  “Quando estou em um evento que é exclusivo da Folkcomunicação eu me sinto bem mais em casa e a vontade para trabalhar. Além de recebermos os incentivos dos professores, como o professor Severino Lucena, que conheci em um evento de FolkComunicação e que me fez o convite para trazer um trabalho”, pontuou.

A sua presença foi frisada pelo idealizador do FolkCom, o professor Luiz Custódio, que ressaltou que espera que “outros Flávios apareçam na próxima edição para fortalecer o evento e mostrar que em outros estados do Nordeste têm pessoas preocupadas com a FolkComunicação.”

O intercâmbio e a troca de experiências entre os participantes também foi destacada por Ângela Cristina, que já é formada em Comunicação Social e atualmente cursa letras/espanhol na UEPB.

“No evento se discute muitas coisas, muitas pessoas trazem experiências de outros estados e compartilham conosco e também levam as nossas experiências […] é uma troca muito válida e acredito que deve ser reforçada a ideia de inserir a Folkcomunicaçãotanto nas escolas como no âmbito acadêmico, porque a gente viu que muitas pessoas tem dificuldade de entender o que é a Folkcomunicação, vivem no dia a dia, mas não sabem explicar o que é,” ressaltou.

O professor Luiz Custódio, destacou que a realização das oficinas e GT’S obteve uma participação positiva dos alunos nesses processos de aprendizado. “O que a gente quer no âmbito da Universidade e da comunicação é fazer com que professores e alunos busquem trabalhar a pesquisa e a extensão,” pontuou.

Nesta edição, o evento também buscou envolver a academia e os mestres da cultura popular. Sandra Belê, Abdias do Acordeon, Lia de Itamaracá e Mestre Sabiá foram alguns dos artistas e militantes culturais que estiveram participando da 14ª edição do FolkCom. A presença dos mestres da sabedoria popular foi destacada pelo professor Luiz Custódio, que ressaltou a aproximação entre eles e a comunidade acadêmica, resultando na troca de conhecimentos que ensinaram a todos profundamente.

Antecedendo a solenidade de encerramento, foi realizada na tarde desta sexta-feira (29), no auditório 1 da Central de Integração Acadêmica, uma mesa-redonda que contou com a presença da ativista cultural Eneide Agra Maracajá, o pró-reitor de cultura, José Cristóvão Andrade e as professoras Luciana Chianca e Erenilda de Lima que discutiram a Pedagogia da Folkcomunicação e da Cultura Popular. O debate foi mediado pelo professor Allan Soares. Além deles, outros professores do departamento e alunos estiveram participando das discussões e do encerramento da 14ª edição do FolkCom.

O reitor da UEPB, Rangel Júnior, também esteve participando do momento e frisou que a Universidade cumpre um papel importante promovendo essas ações. “Está no Estatuto das Universidades que um dos papeis fundamentais é a promoção, preservação e difusão da cultura. Nós temos que trazer a cultura popular para dentro da Universidade,[…] como disse a professora Luciellen, precisamos aprender muito com aqueles que são verdadeiros mestres populares. […] A gente precisa, cada vez mais, abrir as portas da Universidade para este aprendizado […] coletivo e social que temos e vamos construindo uma sabedoria coletiva,” finalizou.

Segundo Luiz Custódio, estender as atividades do evento para todo o estado da Paraíba e envolver as gestões municipais para desenvolver projetos relacionados à Folkcomunicação e a cultura popular é uma das pretensões do Seminário de Folkcomunicação, que foi encerrado nesta sexta-feira (29) após intensas e ricas discussões.

Momentos marcantes do XIV Seminário Os Festejos Juninos no Contexto da Folkcomunicação e da Cultura Popular – FolkcomFotos: Assessoria Folkcom

Por Luana Gregório (repórter) – Iara Alves (editora)