A união que transforma

Hoje em dia, quem vê a Praça Manoel Ribeiro da Silva, localizada no bairro da Liberdade, nem imagina que, antes de ser construída, o local era em um terreno baldio mal iluminado e bastante perigoso para os moradores de seus entornos. Como se não bastasse, alguns deles utilizavam o espaço como um verdadeiro depósito de lixo doméstico, que exalava um forte odor e ainda atraía diversos tipos de pragas.

Insatisfeitos com a situação, os próprios moradores da comunidade decidiram se unir e lutar por melhorias. Através de um abaixo-assinado, eles solicitaram à Prefeitura Municipal de Campina Grande (PMCG) a construção de uma praça, cujo nome homenageia o mais antigo morador daquela localidade. Desta forma, a Praça Manoel Ribeiro da Silva, também conhecida como Praça do Cascudo, foi inaugurada em 21 de dezembro de 2015.

Orçada em cerca de 300 mil reais, de acordo com a PMCG, a praça tem bancos, pista de caminhada, onze equipamentos de ginástica e quatro para recreação infantil. À noite, modernos refletores trazem mais segurança aos seus frequentadores e a quem circula por ali. Os moradores do bairro da Liberdade aprovaram a obra e garantem que o espaço tem servido como instrumento de integração e socialização da comunidade.

“Graças à praça, temos tido a oportunidade de interagir com os outros moradores, fazer novas amizades. Além de dar mais vida ao bairro, ela também valorizou as casas da região. Venho todos os dias caminhar e fazer exercícios físicos nos equipamentos de ginástica. Sem dúvida alguma, trata-se de um espaço que oferece para toda a comunidade o acesso à saúde”, afirma a moradora Maria Odilene Santos Oliveira, de 45 anos.

De acordo com informações da moradora Leila Lopes de Moraes, 58, que reside em frente à praça há pelo menos dez anos, a comunidade voltou a se unir para garantir a manutenção do local. “Cada um contribui mensalmente com dez reais. Este valor é usado para pagar Seu Antônio, que fica responsável pela limpeza do espaço. Ele varre, apanha o lixo, rega as plantas, passa a enxada quando o mato começa a crescer, entre outras coisas. É uma iniciativa fundamental para garantir a preservação da praça pelos próximos anos”, finaliza.

Hoje em dia, quem vê a Praça Manoel Ribeiro da Silva, localizada no bairro da Liberdade, nem imagina que, antes de ser construída, o local era em um terreno baldio mal iluminado e bastante perigoso para os moradores de seus entornos. Como se não bastasse, alguns deles utilizavam o espaço como um verdadeiro depósito de lixo doméstico, que exalava um forte odor e ainda atraía diversos tipos de pragas.

Insatisfeitos com a situação, os próprios moradores da comunidade decidiram se unir e lutar por melhorias. Através de um abaixo-assinado, eles solicitaram à Prefeitura Municipal de Campina Grande (PMCG) a construção de uma praça, cujo nome homenageia o mais antigo morador daquela localidade. Desta forma, a Praça Manoel Ribeiro da Silva, também conhecida como Praça do Cascudo, foi inaugurada em 21 de dezembro de 2015.

Orçada em cerca de 300 mil reais, de acordo com a PMCG, a praça tem bancos, pista de caminhada, onze equipamentos de ginástica e quatro para recreação infantil. À noite, modernos refletores trazem mais segurança aos seus frequentadores e a quem circula por ali. Os moradores do bairro da Liberdade aprovaram a obra e garantem que o espaço tem servido como instrumento de integração e socialização da comunidade.

“Graças à praça, temos tido a oportunidade de interagir com os outros moradores, fazer novas amizades. Além de dar mais vida ao bairro, ela também valorizou as casas da região. Venho todos os dias caminhar e fazer exercícios físicos nos equipamentos de ginástica. Sem dúvida alguma, trata-se de um espaço que oferece para toda a comunidade o acesso à saúde”, afirma a moradora Maria Odilene Santos Oliveira, de 45 anos.

De acordo com informações da moradora Leila Lopes de Moraes, 58, que reside em frente à praça há pelo menos dez anos, a comunidade voltou a se unir para garantir a manutenção do local. “Cada um contribui mensalmente com dez reais. Este valor é usado para pagar Seu Antônio, que fica responsável pela limpeza do espaço. Ele varre, apanha o lixo, rega as plantas, passa a enxada quando o mato começa a crescer, entre outras coisas. É uma iniciativa fundamental para garantir a preservação da praça pelos próximos anos”, finaliza.

Por Ricardo Júnior (repórter) – Iara Alves (editora)