Doação de sangue: gesto de solidariedade que pode salvar vidas

Doar sangue. Um simples gesto de solidariedade que pode reacender a esperança e salvar vidas. Além disso, esta atitude demostra o real significado de viver em comunidade e de ajudar o próximo mesmo sem conhecê-lo.

Essa relação altruísta é algo que a cerimonialista Gabryella Torres, 36 anos, conhece bem. Há pouco mais de dez anos, o seu pai Genildo Torres (in memorian), adoeceu e precisou receber transfusões sanguíneas. O momento foi difícil para a família, mas Gabryella lembra com carinho das doações de sangue que o seu pai recebeu. “Muitas pessoas se mobilizaram para doar, mesmo as que não o conheciam”, ponderou.

A importância da doação era algo que seu Genildo sabia e que fazia questão de repassar e estimular a sua filha a ser uma doadora. Ele era doador de sangue e ao falecer a família também autorizou a doação de córneas.

A ação foi um divisor de águas para Gabryella que refletiu: “Até depois de morto o meu pai conseguiu ajudar as pessoas como ele fazia em vida”. Pensamento que a sensibilizou e a fez tomar a decisão de se tornar uma doadora.

A sua primeira doação foi há 10 anos, mas por ter uma rotina de trabalho agitada passou um tempo sem doar. Porém, há um ano e meio realiza doações regularmente. Gabryella acredita que quem doa sangue dá provas de solidariedade e de gratidão por ter uma vida saudável. Já quem recebe a doação, ganha vida e atos de amor. Ela também é doadora de medula óssea e conta que em oração pede para ser compatível e poder ajudar a quem precisa.

Histórias como a de Gabryella servem de exemplo e estímulo para quem ainda não é doador, como também, para aqueles que já realizam doações regularmente com o intuito de ajudar o próximo e fortalecer os laços em sociedade.

Como realizar uma doação de sangue e quais os critérios:

Para ser um doador de sangue é necessário atender alguns critérios, sendo eles:

  • Ter idade entre 16 e 69 anos (se for menor de 18 anos é necessário autorização do responsável legal);
  • Pesar acima de 50 quilos;
  • Ter dormido normalmente nas últimas 24 horas;
  • Estar alimentado, dando intervalo de duas horas após o almoço;
  • Evitar alimentos gordurosos na véspera e no dia da doação;
  • Não ter tido hepatite após os 11 anos de idade;
  • Não estar gripado, resfriado, com febre ou diarreia;
  • Não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12 horas;
  • Não ter comportamento de risco para doenças sexualmente transmissíveis;
  • Não estar grávida ou em período de amamentação. A menstruação e o uso de pílulas anticoncepcionais não impedem a doação;
  • Respeitar o intervalo entre as doações que devem ser de dois meses para os homens e de três meses para as mulheres.

Atendendo a esses critérios, os interessados podem se dirigir ao Hemocentro do seu município para realizar os procedimentos necessários, como também, para tirar dúvidas a cerca da doação.

Em Campina Grande, os interessados podem realizar sua doação no Hemocentro da cidade, que fica localizado na Rua Eutécio Vital de Ribeiro, s/n – Catolé, ao lado do Terminal Rodoviário de Passageiros Argemiro Figueiredo. Mais informações podem ser obtidas através do telefone (83) 3310-7130.

Outras regiões do Estado também possuem Hemocentros. Confira aqui os endereços dos locais de doações.

Por Iara Alves (repórter) – Luana Gregório (editora)