Projeto Social Vagalumes procura estimular a inclusão social dos menos favorecidos

Escrito por Nátally Fernandes e editado por Keliane Barbosa
 

Em Campina Grande o Projeto Social Vagalumes  existe a cerca de oito anos e durante esse tempo vem tentando diminuir diferenças sociais e promovendo a solidariedade e compaixão entre as pessoas. Os voluntários, visitam asilos com a intenção de  conversar com os idosos, distribuem brinquedos para crianças de áreas de risco, visitam orfanatos, creches e comunidades carentes fantasiados de palhaços para animar as crianças, realizam campanhas do agasalho para moradores de rua, fazem “abraços grátis”, dentre outros movimentos. A mensagem que buscam passar é a seguinte: “Você não vive sozinho no mundo. Cada vida é importante”.

É por isso que as ações nem sempre visam fazer doações materiais, mas sim, dar atenção a quem precisa; uma palavra amiga, um abraço, ser gentil, o que é muito importante, principalmente para os “invisíveis da sociedade”, como os moradores de rua e pessoas carentes.

O nome do projeto se dá a partir do pequeno inseto vaga-lume que possui um significado poético, devido à sua luz. E também é inspirado na música ‘’Homônima’’ do grupo O Teatro Mágico (banda em que os fundadores do projeto são fãs).

A maior dificuldade enfrentada pelo projeto é a falta de motivação de alguns voluntários por ter uma certa rotatividade nos trabalhos. “Às vezes a pessoa tem ótimas intenções, mas depois de um tempo, perde o interesse e basta algumas pessoas para desanimar o grupo todo. Mas nós sempre damos a volta por cima e conseguimos continuar fazendo o nosso trabalho. Surgem novatos motivados e mesmo quem não é do projeto tá disposto a nos ajudar. Isso é uma coisa que eu aprendi dentro do projeto: tem mais gente disposta a ajudar do que as pessoas pensam. ”, contou Bruna Moura, voluntária no Vagalumes desde outubro de 2008 e atual coordenadora do projeto em Campina Grande.

Para participar do projeto basta ter mais de 16 anos e passar por uma entrevista que é feita semestralmente.